fbpx

Anêmona: conheça essa flor colorida de miolo negro

Uma das perguntas mais frequentes que ouvimos é: qual é a sua flor preferida? Apesar de parecer uma pergunta fácil, achamos incrivelmente difícil de responder. São tantas as preferidas, sendo complicado escolher apenas uma como representante.

Verdade seja dita que, a anêmona sempre fará o nosso coração bater mais forte. Não por acaso, a nossa espécie querida atende pelo nome de Anemone coronaria.

O gênero Anemone possui cerca de 120 espécies e pertence à família Ranunculaceae. Quem achou que tem alguma coisa a ver com os Ranúnculos acertou, ambas as flores são da mesma família.

Já a palavra “anemone” tem origem grega e, como não poderia deixar de ser, tem mitologia relacionada. Ánemos era o Deus do vento e o sufixo patronímico “one” traduz a palavra em filha de Ánemos. Por isso, a flor é conhecida também como flor de vento. Mitos antigos relacionam tanto os Deuses dos Quatro Ventos quanto Afrodite e Adonis. A Deusa do Amor manteve um relacionamento muito longo com seu amante, fato que levou os demais Deuses a matarem Adonis. Ao chorar em sua cova, suas lágrimas que caíram transformaram-se em anêmonas.

É interessante pesquisar como através do tempo, ou em diferentes culturas, o significado de uma mesma flor muda. Para os vitorianos, a anêmona simbolizava um amor renunciado, abandonado. Os egípcios e os chineses a consideravam um símbolo de doença, por conta da sua coloração. Em contrapartida, os camponeses europeus a usavam para afastar doenças e o mal.

Aqui no Brasil a sua produção ainda é muito pequena, sendo uma flor escassa no mercado e muito procurada. As fotos que fizemos são todas com anêmonas nacionais, da espécie coronária. Sua durabilidade varia em torno a 5 dias, podendo ser menos em dias quentes.

Enigmática, delicada com um toque obscuro, nossa fixação por ela só aumenta.

Gostou dessa matéria? Venha até uma de nossas unidades conhecer mais sobre os nossos cursos de Paisagismo e Botânica.

https://escolaproarte.com.br/cursos/botanica-formacao-continuada/

Matéria retirada do site casavogue.globo.com

fevereiro 6, 2017
Escola Pró-Arte© 1981 - 2019
X